Entenda a evolução do bebê nos primeiros 12 meses de vida
[editar artigo]

Entenda a evolução do bebê nos primeiros 12 meses de vida

O primeiro ano de vida é a fase em que o ser humano mais se desenvolve, mais aprende e mais se transforma. Não é um exagero, portanto, falar que é o período de maior evolução do bebê. A cada dia, semana e mês, conquistas novas — pequenas ou gigantescas — revolucionam a vida do pequenino, dos seus pais e familiares.

Cada avanço pode e deve ser comemorado como uma vitória, uma conquista definitiva, prova de que o neném está crescendo e evoluindo adequadamente. Prova de que em breve ele deixará de ser um bebê, vai virar criança, adolescente e adulto.

Os 12 primeiros meses passam correndo e se você não estiver atento pode não ver a evolução do seu filho, que é das coisas mais admiráveis que a natureza produz. Destaque absoluto para o cérebro que comanda como um maestro cada passo, cada virada.

Quer saber o que esperar da evolução do bebê em cada um dos meses do primeiro ano de vida? Quer saber se o desenvolvimento do seu filho está de acordo com o esperado? Quer compartilhar com seus amigos a fase em que seu neném está e quais serão os próximos passos (literalmente) do pequeno?

Então acompanhe aqui a coleção de façanhas e gracinhas do nascimento ao primeiro aniversário, a partir da observação e da experiência de pediatras e especialistas.

1º mês

Assim que nasce, o bebê só precisa de alimento e acolhimento para iniciar sua evolução. Nesse comecinho, o contato pele a pele, o som da voz dos pais e o leite materno são os combustíveis para os avanços começarem.

Além de dormir cerca de 20 horas por dia e mamar, o bebê é capaz de pequenas e significativas atividades. Nos primeiros dias, o neném não controla nem o movimento dos olhos e ainda está aprendendo a respirar com ritmo e mamar de forma mais eficiente.

Lembre, na barriga, ele não era exigido a fazer nada. Agora, avisar que está com fome, frio, solitário, molhado ou com dor é tarefa do pequeno. Tudo é muito novo e confuso para ele. Por isso a mãe e o pai devem ser pacientes. Estimular, mas não cobrar.

E como se faz isso? Ficando perto — o bebê não enxerga mais do que vultos até 20 ou 30cm de distância —, falando com ele, fazendo carinho, mexendo com firmeza e suavidade nos seus braços e pernas, para que ele vá entendendo o contorno e as sensações do próprio corpo.

O olhar do bebê é míope, mas é atraído por cores fortes. Brinque com ele com móbiles no berço, ou brinquedos pequenos e arredondados perto do rosto. Isso ajuda a firmar a visão e a criar o vínculo entre vocês.

Já a audição do neném é perfeita, como a de um adulto saudável. Ele reconhece sim a voz da mãe e do pai. Ele não gosta de barulheira, mas pode apreciar uma boa música. Faça uma playlist com as canções que você ouvia enquanto seu filho ainda estava na barriga. Pode ser que ele reconheça e reaja. Se não acontecer, ao menos você já está preparando o (bom) gosto musical dele. Um teste simpático é estalar os dedos perto de uma das orelhas do bebê e reparar se ele move a cabeça para aquele lado. Repita o mesmo do outro lado.

Durante o banho, o recém-nascido mexe as pernas e os braços, como se nadasse, relaxa e demonstra prazer, porque seu corpo “lembra” dos tempos da barriga. Aproveite bem esse momento. Perto de completar um mês, o bebê atenta para as frases e reconhece a língua materna. Se você falar com ele em outro idioma, ele não demonstra o mesmo interesse.

2º mês

A primeira grande barreira da evolução do bebê foi vencida. Ele deixou oficialmente de ser um recém nascido aos 28 dias de vida e grandes aventuras vão começar. Se tudo está de acordo com o esperado, seu filho já consegue manter a cabeça erguida e pode virá-la para os dois lados para observar o que acontece a sua volta.

Seus movimentos se mantém meio bruscos, estabanados e ainda com espasmos involuntários, como se tomasse pequenos choques. Na verdade, isso é o sistema nervoso se desenvolvendo e ensinando os músculos e ossos a reagir a uma ordem do cérebro. Impressionante, não? Mais para o final desse período esses reflexos começam a diminuir e o controle motor vai aumentando. Mas isso é mais lá para frente.

A coisa mais linda na evolução do bebê de dois meses é o sorriso. A gente finge que não repara que, nesse começo, sorrir não tem a ver com achar graça ou reconhecer alguém querido, ainda é apenas um movimento. Mas como respondemos um sorriso com outro, o neném vai aprendendo como o riso é uma poderosa ferramenta de comunicação para os humanos.

No segundo mês de vida, o neném já diferencia bem as cores e sente atração por elas, pede esticando as mãos e balançando o corpo. Tem preferência por alguns tons, estampas e formatos, mas quando entregamos os objetos, ainda não consegue segurar com firmeza.

O sono do bebê deve estar começando a entrar no ritmo, assim como as mamadas. No entanto, ele ainda acorda bastante à noite para se alimentar, ser trocado e garantir que a mãe e o pai estarão por perto sempre que ele precisar. Ou ainda para sentir uma saudadezinha leve. O bebê já fica acordado cerca de 10 horas por dia com dois meses.

A parte chata nessa fase é a cólica, que pode incomodar bastante. Normalmente, ela reduz no terceiro mês e some totalmente depois. Se você reparar bem, existe um choro específico para demonstrar esse incômodo e há mães que juram que diferenciam o choro da fome do choro da fralda suja. Não duvide. Controlar o choro e outras vocalizações é próprio do segundo mês.

Embora cada criança tenha um ritmo para se desenvolver, é sempre tempo de estimular. Converse, brinque, cante e faça carinho no seu filho. Agora, quando começam os primeiros passeios de carrinho, repare como ele vai acompanhando o movimento, os barulhos e o colorido da rua. Cuidado com o sol, com a agitação e comece com voltinhas curtas pelo quarteirão para ir expandindo a percepção do bebê suavemente.

3º mês

Olhe para ele e veja como cresceu! Seu filho já demonstra preferências por pessoas, ambientes e brinquedos. Com três meses, a evolução do bebê é notável e ele vai fazer uma descoberta incrível a qualquer momento: as mãos!

Vai pegar e segurar objetos com firmeza, vai pegar uma mão com a outra e brincar com os dedos, vai levar aos mãos à boca e experimentar cada dedo. E de novo e de novo e de novo. Não impeça esses movimentos, eles são fundamentais para o desenvolvimento motor, de sensibilidade e até da inteligência. Tire as luvinhas e deixe o neném explorar o mundo com as mãos. Atenção para o corte das unhas, porque ele pode se arranhar.

A personalidade do bebê fica mais forte e ele demonstra contrariedade sem nenhum receio. É no terceiro mês que ele começa a sorrir de contentamento. Se for uma criança mais fechada, sorri menos. Se for mais extrovertida, abre a boca banguela e manda ver na gargalhada, derretendo toda a família.

Se seu filho estiver de boa, sozinho, mesmo sem fazer nada, confie. Ele já aprendeu a se expressar em relação às suas necessidades. Já confia em você e vai chama se precisar de algo. Quando estiverem juntos, leia para ele, mostre as páginas coloridas e veja como ele se anima. Brinquedos que fazem som fazem sucesso com bebês dessa idade.

O sono já se organizou e, surpresa, ele é capaz de se virar e de desvirar enquanto dorme! Não precisa se preocupar, apenas afaste bem os bichinhos e almofadas do berço para que os movimentos sejam livres e o sono, bem gostoso.

4º mês


Onde está aquele bebê quietinho dos primeiros tempos? Deu lugar a um moleque, ou uma moleca, cheio de movimentos, que explora o berço, o carrinho e o chão da casa. Quando colocado de barriga para baixo, faz uma flexão de braço e tenta se erguer. Descobriu o pé, vive com ele na boca e durante o banho, ou as brincadeiras sobre a manta, no chão da casa, tenta firmar o corpinho sobre as pernas quando amparado por um adulto.

A evolução do bebê aponta para brincadeiras e movimentos. Gosta de brinquedos, de bola, de ver desenhos coloridos. A criança já consegue esticar os braços, buscar o objeto de desejo e trazer para perto. As mãos alcançam a fralda, a cabeça e os pés — e isso é fundamental para ele aprender a andar mais adiante. É uma evolução e tanto!

A gengiva vai começar a coçar e inchar. Provavelmente, os dentes chegarão logo e o bebê vai querer levar tudo à boca para reduzir o incômodo. A salivação pode aumentar e a região da boca pode assar ou apresentar micoses.

Em relação ao aprendizado, o bebê é uma esponja aos quatro meses, absorve tudo que as pessoas fazem, falam e tudo o que o ambiente proporciona. Por isso, quanto mais estímulo, melhor. Descubra junto com o pequeno as brincadeiras favoritas e repita até ele cansar.

O bebê já dorme a noite inteira e não precisa mais ser acordado para mamar. Por isso, acorda bem disposto e cheio de energia. Ele começa a reconhecer o próprio nome e balbucia sons com alegria. Estimule. Trema os lábios, assovie junto com ele. A maior bagunça acontece no banho, porque a criança faz movimento de bicicleta com as pernas e bate as mãos na água sem dó.

5º mês

Atenção, ele está pronto para sentar! Repare como ele pratica. Se vira para um lado, para o outro, ergue a cabeça na troca da fralda, como se fizesse abdominal e rapidinho vai controlar a coluna e sentar sozinho. Almofadas perto das costas são uma boa, porque ele ainda vai cair bastante e pode bater a cabeça.

Se você segurá-lo pela cintura vai ver que ameaça engatinhar. Vai ficar bravo e se decepcionar. Não impeça. Essa raiva é importante para ele se motivar a continuar tentando até conseguir.

Os dentes podem despontar e o bebê vai ficar sim muito incomodado. Dói, machuca a gengiva, mas passa. Compressas de gaze com água gelada, aliviam. Talvez, ele leve tudo à boca. Atenção para não machucar e nem engolir alguma pecinha.

Nessa fase, seu filho pode ter um brinquedo, ou um paninho inseparável. É prova de evolução do bebê. Mostra empatia e segurança. Ele já brinca sozinho por períodos maiores. Talvez, ele comece a demonstrar preferência por animais. Se na sua casa tiver um bicho de estimação, eles podem começar a se aproximar. Atenção para a higiene, mas pode estimular esse contato.

Ele vai começar a cantar, repetir sons e gritar. É a fala chegando. Converse com ele e finja que entende tudo que ele diz. É um ótimo treino para um bate papo no futuro.

6º mês

Começa a fase de pegar e jogar no chão. Passar objetos de uma mão para a outra e assim por diante. Tudo diverte o bebê. Seu filho está crescendo e aprendendo as consequências dos seus atos. Aos 6 meses, o bebê começa a comer e a experimentar novas sensações. Ofereça alimentos diferentes, com cores e texturas variadas. Deixe ele se sujar enquanto prova as novidades. É assim que se forma o gosto e o paladar.

Levanta os braços e pede colo, chama a atenção dos pais, sorri quando é compreendido, presta muita atenção quando contam histórias, ou conversam com ele. Brinquedos que fazem barulho são os preferidos. Nessa fase da evolução do bebê, ele reconhece os membros da família e começa a pronunciar as consoantes. Brinque com ele de fazer PPPPPPP, ou BBBB, ou BRRRRRRR. É uma grande diversão para ele.

7º mês

É bem provável que seu bebê comece a engatinhar por volta dos sete meses. A evolução do bebê está mais acelerada e a independência para realizar atividades é notável. Normalmente, alegre e brincalhão, pode ser que ele fique tímido e retraído na presença de estranhos. Respeite.

É o início da fase da brecha, que se dá aos 8 meses, e o bebê vai descobrir que ele e a mãe são pessoas distintas, separadas. Pode causar algum sofrimento, mas por enquanto, é só ensaio.

A comunicação está intensa e eficaz. Ele deixa bem claro o que o deixa feliz e o que o incomoda. Pode confiar. Provavelmente, vai começar a soletrar pa-pa-pa e ma-ma-ma. Se a família responde a esses chamados, logo o bebê começará a entender que os sons fazem sentido e dão resultado, quando repetidos. É um treino para a fala e é uma atividade que entretém e diverte o bebê.

A evolução do bebê é muito ágil nesse período e ele vai aprender novas habilidades de um dia para o outro. Vai querer ficar de pé, falar, e pegar objetos com a ponta dos dedos. Separa os alimentos que não gosta no prato, gosta muito de ouvir palavras de incentivo e comemora os acertos.

8º mês

Cheio de dentes e de movimentos, o bebê vai treinar bater palmas e engatinhar. Talvez ele tenha um pouco de preguiça, mas com um pouco de estímulo, ganhará gosto e vai querer sair por aí sobre os quatro apoios.

Seu filho está mais confiante para explorar, mas mais dengoso. A fase da brecha, quando ele descobre que é um ser separado da mãe, pode dar alguma angústia e timidez. É preciso respeitar e não é um bom momento para trazer uma babá nova, mudar de casa, ou entrar no berçário.

O neném vai prestar muita atenção nas palavras, vai reconhecer os significados e querer repetir. Memoriza o nome dos objetos e imita os sons e gestos das outras pessoas. Talvez ele tenha um pouco de medo de ficar sozinho, mas isso não vai durar para sempre. Uma luzinha azul no quarto do bebê na hora de dormir, um brinquedo ou cobertor companheiro e muita tranquilidade dos pais costumam ajudar.

9º mês

Passou o tempo ruim e tudo é brincadeira aos nove meses. Se a evolução do bebê estiver a contento, ele vai estar mais aventureiro que nunca, explorando os quatro cantos da casa e se movimentando sozinho. Tudo vira brinquedo. O banho do bebê é uma farra molhada. Brinquedos coloridos, de encaixe e com barulho chamam a atenção e entretêm o bebê por longos períodos.

Os primeiros sinais da vontade de andar aparecem. Ele fica de pé com um terceiro apoio como as mãos de um adulto, o assento do sofá ou a mesinha de centro da casa. Vai mexer em tudo e temos de tomar cuidado com peças que quebram e que podem ser engolidas.

Não tenha receio de estimular seu filho a se mexer, pegar objetos e classificar os brinquedos. Ele precisa de espaço. Tapetes de borracha e ambientes amplos são bons convites. Ele pode imitar um índio, dar tchau e bater palmas.

10º mês

A evolução do raciocínio do bebê é o que mais chama a atenção neste período: ele vai entender o significado do não e vai reconhecer quem é que manda. Não precisa brigar, mas falar firme quando o bebê fizer algo errado é importante para impor os limites.

Com 10 meses, seu filho é ciumento e se ressente se você pegar outra criança no colo, ou brincar com o cachorrinho. É prova do vínculo entre vocês. Não se preocupe demasiadamente se ele chorar ou resmungar.

Seu bebê mais parece uma criança e certamente já fica de pé e ameaça dar uns passinhos por aí. Apoie ele nas tentativas, minimize as quedas e incentive a levantar e tentar mais uma vez. Bebês precisam ser ensinados a ter paciência e persistência.

Brinque de “cadê o bebê?”, esconda objetos e deixe o bebê procurá-los. A inteligência nasce desses pequenos atos. Talvez ele se irrite. É normal. Retome a brincadeira quando ele se acalmar. O bebê vai demonstrar vontade de fazer as coisas sozinho. Estimule com segurança.

11º mês

Ele vai arriscar os primeiros passos e o papel da mãe e do pai na evolução do bebê é dar a mão e ajudá-lo nessa aventura. Transmitindo segurança e alegria com a coragem do seu filho, você estimula e ensina a ir em frente. Demonstre seu orgulho se ele se equilibrar ou der um passo. Comemore.

Ensine ele a obedecer as suas ordens. Não é não e ele sabe bem disso. Desobedecer é malandragem, acredite. Ele também já reconhece o nome dos objetos mais frequentes, o nome dos familiares e dos animais de estimação.

Ele brinca sozinho com bolas e brinquedos. Segura o copo e a mamadeira. Risca o papel com um lápis e já pode comer sozinho. A evolução do bebê caminha para a independência e os pais precisam entender e apoiar isso.

Brinquedos educativos são bons companheiros e, embora com 11 meses a criança não leia, livros de páginas grossas e desenhos coloridos também são ótimos entretenimentos.

12º mês

Talvez ainda meio desequilibrado, seu filho está pronto para andar. Ele está ativo, tentando se firmar nas pernas, caindo e levantando. De mãos dadas com os pais, consegue ser conduzido facilmente. A evolução do bebê no final do primeiro ano de vida é motora e comportamental.

Começa a interagir com outras crianças, mas não gosta de emprestar seus brinquedos. Vai aprender a compartilhar aos poucos. Converse com ele, mas não force a barra. Ainda não é tempo. Com quase um ano, ele faz birra, chora alto e demonstra contrariedade.

Come sozinho e derruba infinitas vezes a colher no chão, só para confirmar o que acontece. Ele está treinando a coordenação motora e aprendendo conceitos difíceis como física, tempo e espaço. Seu filho faz bagunça, joga as coisas longe e se arrasta para buscar os brinquedos. É um tempo feliz e muito ativo.

Brinquedos de desmontar, de peças empilháveis e encaixáveis fazem sucesso. Atividades como natação, passeio na praça e na praia são muito bem-vindas.

Seu filho procura imitar você em tudo e vai começar a falar palavras e frases. Leve a sério o que ele diz e procure se comunicar, seja falando, apontando ou mostrando. Logo seu bebê terá um ano, vai virar seu companheirão e esse é o objetivo da evolução do bebê: fortalecer vínculos e aprender sempre.

Os primeiros 12 meses de um bebê são momentos de muita descoberta e aprendizado. Todos os envolvidos se desenvolvem e evoluem nessa fase: pais, avós, amigos, parentes, e claro, o próprio bebê. Aproveite cada momento e não deixe de celebrar muito quando o primeiro aniversário chegar. Esses dias não voltam mais! ;)

Você está passando pelo primeiro ano do seu bebê? Está em qual mês? E o que pode dizer sobre o desenvolvimento dele? Aqui no Alô Bebê Club, sua experiência tem um grande valor para os outros leitores.

Quando você se cadastra, pode contar sua história, suas descobertas e trocar com outros pais e mães os detalhes de cada uma das fases do seu bebê. Pode até ter alguns spoilers do que virá no futuro breve. Entre, se cadastre e compartilhe a evolução do seu bebê com a nossa comunidade.

TAGS
Alô Bebê
Alô Bebê Seguir

Redação - Alô Bebê

Continue lendo
Indicados para você