Geração Alpha: quem são esses novos bebês?
[editar artigo]

Geração Alpha: quem são esses novos bebês?

Puxe da memória os modelos de carrinho de bebê mais antigos que você puder lembrar. Eles certamente são enormes, tipo anos 1950, com um toldinho e mantinham o bebê obrigatoriamente deitado, certo? Agora, avance um pouco, chegue nos anos 1980. Os carrinhos são bem menores, com três posições entre deitado e sentado e são dobráveis para caber no porta mala.

Nos anos 1990, os carrinhos ficaram esportivos, para bebês e pais fazerem trilha juntos, é uma geração fitness. E de 2010 para frente, não se assuste se encontrar modelos com espaço para encaixar não a mamadeira ou chocalhos, mas tablets e smartphones. Se você já viu essa novidade por aí, então está apto a encarar a Geração Alpha, formada pelos bebês que nasceram de 2010 para frente e que nascerão até 2024.

Foi um pesquisador australiano, Mark McCrindle, quem propôs essa denominação, ainda em 2005. Prevendo o fim da geração Z, que nasceu até 2009, o cientista precisava de um termo que explicasse bem quem seriam essas pessoas, quais as suas características e como os nascidos em tempos anteriores poderiam lidar com bebês, crianças, adolescentes e adultos alpha. Agora chegou a hora de conhecer essa moçada.

Inteligência, curiosidade e aprendizado

Bebês da geração alpha se adaptam mais rápido do que o padrão. Sabe aquele história de recém-nascido de olho fechado e que só dorme? Esqueça. Os alpha nascem de olhos abertos, ouvindo e observando tudo.

Têm grande capacidade de absorção de informação e aprendem a imitar também muito cedo. Ele estará de olho em você para saber como se comportar e como proceder. Exemplo, portanto, é fundamental.

Atenção e impaciência

Alphas não conseguem focar a atenção e se concentrar por muito tempo, então vá direto ao ponto, sempre. Não enrole muito nos preparativos. Por exemplo, só tire a roupa do seu filho e o leve para o banho se a banheira já estiver pronta e com os produtos à mão. Só coloque o bebê no cadeirão, se a comida já estiver no prato e na temperatura certa. Eles ficam muito impacientes de esperar.

Comunicação

Bebês alpha praticamente nascem sabendo falar, ou, ao menos, se comunicar. Eles são muito claros com o que querem e gostam muito quando a comunicação com eles é direta. Por isso, fale com seu filho. Explique o que está fazendo, reaja aos barulhos que ele fizer. Sim, os barulhos são respostas, não duvide.

Hierarquia

Não é natural para os bebês nascidos depois de 2010 entender e respeitar as relações de poder. Eles precisam ser ensinados desde cedo quem manda, quem é o adulto da relação. Isso vale para a mãe, para o pai, para a babá, enfim, para quem vai cuidar do bebê. Depois que eles entendem, aí é tranquilo.

Eles não são muito questionadores, mas devem ser lembrados que a autoridade deve ser respeitada. As relações dessa geração costumam ser horizontais, mais de igual para igual. O que é ótimo, porque reflete respeito pelos seres humanos independentemente de qualquer condição. No entanto, pode causar mal estar na relação com os avós, com os professores, com os pais dos amigos.

Os adultos das gerações anteriores precisam entender que os indivíduos da geração alpha nascem assim e é necessário ter paciência para ensinar a eles noções de hierarquia que serão úteis por muitos anos ainda.

Estímulo

Esponjas. É assim que os bebês e crianças que fazem parte da geração alpha podem ser representados. Absorvem imediatamente todos os estímulos que o ambiente e as pessoas oferecem. Por isso, são muito inteligentes e rápidos para agir e tomar decisões.

Os bebês se desenvolvem mais rápido do que as crianças de gerações anteriores e chegam a pular etapas. Se o padrão é sentar por volta de 6 meses, esses pequenos de 2010 para frente já experimentam sentar com 3 meses. Andam com 9 meses, falam antes dos 2 anos, enfim, aprendem logo, experimentam muito e reagem muito bem aos estímulos.

O único cuidado é os pais não se empolgarem e estimularem em demasia o bebê. Como são bons comunicadores, se isso acontecer, os bebês vão chorar, ou perder o interesse pela atividade. Os pais precisam saber interpretar os sinais e respeitar.

Tecnologia

Essa talvez seja a principal marca dos alpha. Nascem sabendo operar tablets e smartphones melhor do que seus pais e avós. Capaz até de se arriscarem a programar os aparelhos. Têm muita habilidade e rapidez para entender os circuitos eletrônicos, a linguagem e o funcionamento. Aprendem intuitivamente e, de fato, se concentram quando estão operando essas maquininhas.

Os pediatras recomendam que o contato com eletrônicos e telas se dê só a partir dos 2 anos e por poucos minutos de cada vez. Se isso for impossível no esquema da sua família, prefira oferecer brinquedos pedagógicos que fazem som e pedem alguma ação (como apertar, girar, coordenar movimentos) para começar.

Atenção para diversificar as atividades oferecidas. Brincadeiras ao ar livre, que estimulem os movimentos do corpo e outras percepções são muito saudáveis e devem fazer parte da rotina do bebê. É lindo um pequeno que acessa sozinho o Youtube, mas é mais lindo ainda um bebê que se levanta e corre atrás do cachorro da família para brincar.

A turminha da geração alpha é espontânea, livre, cheia de energia. Aprende rápido e quer que você confie neles e deixe eles explorarem o mundo. Os bebês da geração alpha são a alegria da casa, têm sentimentos fáceis de reconhecer e lidar, e precisam de companhia, monitorando e ensinando os caminhos.

Você pode compartilhar pelas redes sociais o que aprendeu aqui com seus amigos e familiares que têm bebês pequenos, ou que estão esperando. Quanto mais informações tiverem, mais os filhos ficam bem cuidados. :)

 

Alô Bebê
Alô Bebê Seguir

Redação - Alô Bebê

Continue lendo
Indicados para você