O que fazer com a criança que não quer comer?
[editar artigo]

O que fazer com a criança que não quer comer?

A queixa mais comum de pais e mães em consultórios pediátricos é: meu filho não come. Embora exista um certo exagero nessa afirmação, as associações médicas defendem que 50% dos meninos e meninas são mesmo chatinhos para se alimentar. Os pediatras chamam de "picky eaters", ou comedores seletivos.

Quando a criança faz parte dessa turma, o maior problema que encontra não é a desnutrição, ou a fraqueza por falta de nutrientes importantes. É, antes, um pai e uma mãe estressados, preocupados, com vontade de chorar e sair correndo cada vez que sentam à mesa para uma refeição.

Mas mesmo quando a criança não quer comer, dá para encarar de outro jeito e encontrar soluções. Veja só.

Independência

A refeição é a primeira oportunidade que a criança tem de mandar em si própria, fazer escolhas e decidir algo. Portanto, os pais precisam entender que tem um jogo de poder acontecendo ali. É preciso respeitar a autonomia da criança e, por outro lado, impor combinados e limites.

Assim, os pais devem dizer qual é o comportamento e a consequência, caso não seja cumprido. Não vale entrar na loucura e no escândalo da criança; não vale a pena ameaçar e usar violência física e verbal só vai piorar tudo.

O café da manhã, o almoço e o jantar devem ser momentos de paz e tranquilidade. Se a criança não vai mesmo comer o que está no prato, pode sair e se alimentar na próxima oportunidade. Se não almoçou, aguarda até o lanche da tarde.

Varie os alimentos e procure opções saudáveis que seu filho goste. Quanto mais variada for a oferta, maiores as chances de convercer quando a criança não quer comer. Mude não só o alimento, mas também a forma de apresentação: assado, cozido, cru, picado, inteiro, purê, etc. Crianças seletivas enjoam fácil e novidade à mesa pode ser um diferencial.

Não desista

Não é porque a criança não come comida verde hoje que vai ser assim para sempre. Existem fases, a criança cresce e os gostos mudam. O que determina o sucesso é a oferta e a insistência dos pais. Não desista, ofereça sempre.

Não insista

Mas se a criança não gosta mesmo e tem ânsia de vômito com o alimento, vale a pena respeitar, não tirar sarro e encontrar um substituto similar.

Sinal amarelo...

...se a criança só come dois ou três alimentos, não aceita experimentar e começa a apresentar apatia ou perda de peso. Se não estiver neste patamar, se tranquilize.

Todo mundo conhece uma criança que é difícil para comer. Que tal passar para frente dicas como essas aqui? Se a situação ficar além das possibilidades dos pais, vale a pena consultar um pediatra especialista em alimentação, um nutricionista e até um psicólogo.

O importante é descobrir a causa da inapetência e atuar diretamente nessa raiz, sem que a casa vire uma confusão.

As redes sociais podem ser aliadas dos pais para garantir uma alimentação mais saudável e tranquila para a família toda. Gostou? Então compartilhe!

Alô Bebê
Alô Bebê Seguir

Redação - Alô Bebê

Continue lendo!

Cadastre-se gratuitamente e tenha acesso
aos conteúdos exclusivos.

Entrar
Indicados para você