[ editar artigo]

Seu filho come mal? Veja as dicas da Gabriela Kapim!

Seu filho come mal? Veja as dicas da Gabriela Kapim!

Não há como falar em nutrição infantil sem mencionar o nome de Gabriela Kapim.
A nutricionista se tornou sinônimo de uma frase comum em muitos lares: Socorro, Meu Filho Come Mal.

Kapim é mãe de dois filhos, Sofia (14 anos) e Antônio (12) e deu voz a esta famosa angústia das famílias no seu programa no GNT no qual aborda dicas para os problemas mais comuns no assunto nutrição infantil. A Me Two - 1ª plataforma completa sobre universo de gêmeos e múltiplos do Brasil - conversou com a apresentadora durante o recente evento Conversa de Mãe, em São Paulo.

No vídeo a seguir, confira os melhores momentos da nossa entrevista com a nutricionista e segue rolando a matéria para ler todos os destaques sobre este assunto tão importante no desenvolvimento das crianças!

Nutrição + gêmeos = quais os problemas comuns dessa conta?

Gabriela Kapim contou um caso sobre duas meninas univitelinas que apareceram em seu consultório. A mãe desesperada porque cada vez que precisava cozinhar para as meninas tinha que aprontar um verdadeiro banquete: uma gostava de feijão, a outra de arroz. Uma pedia frango, a outra pedia peixe, por exemplo. Este é um caso em que a apresentadora diz que precisa muito mais de psicologia do que de nutrição para compreender.

“Muitas vezes, o momento dos gêmeos se diferenciarem será na alimentação, na hora da mesa. A família vai ter que prestar atenção de uma forma mais abrangente para solucionar a questão”, explica Kapim. No caso das meninas, elas viviam sempre iguais porque era assim que os pais propunham. A partir do momento em que fizeram um teste de 15 dias de total liberdade, para cada uma se vestir e se expressar da forma que queriam, foi quase mágica que elas pudessem entender o que cada uma realmente gostava de comer. “São dois indivíduos diferentes, esse olhar da família gemelar à mesa tem que ter uma atenção especial”, completa.

Nutrição para gêmeos: o “efeito galera”

É comum na sua casa um dos gêmeos dizer: “a gente não gosta disso, mamãe” ou “a gente não quer jantar”. Ou seja, um irmão propõe e o outro adere. Você sabe que isso vem da cumplicidade dos irmãos, que é muito forte. Kapim diz que essa é a hora certa de trabalhar a individualidade. “Diga assim aos filhos: você fala por você. Que tal a gente escolher outra coisa para o seu prato? Seu irmão escolhe o que vai querer.” Kapim explica que, assim, não fica uma situação do outro ter que aceitar porque não quer desonrar o que o gêmeo está propondo. “É mais uma oportunidade de mostrar que são duas pessoas”, afirma.

A seguir, Kapim compartilha os seus 5 mandamentos, que servem pra crianças de qualquer idade e… até para os adultos!

1. Comerás sempre sentado à mesa

“Parece óbvio dizer isso, mas hoje em dia se perdeu essa dinâmica”, comenta Kapim. “Isso é parte fundamental na relação entre pais e filhos. É a hora de educar a criança em sua relação com o alimento. Sabemos que não dá para almoçar juntos todos os dias, mas é preciso tentar dar uma fugidinha de vez em quando para comer em casa e tentar fazer a hora da janta um momento em família”, indica a nutricionista.

2. Comerás sem eletrônicos ligados

“Infelizmente é um problemão da atualidade. Muitas vezes a TV acaba sendo um artifício usado pelos adultos para a criança comer tudo o que está servido”, comenta Kapim. Porém, este mau hábito traz muitas complicações. “A criança não se apropria do que está comendo. O cérebro dela nem se dá conta do que está sendo ingerido. Você está dando comida, mas a criança não está se alimentando de verdade. Ela fica em modo automático, está apenas enchendo a barriga sem relação com a comida.”

3. Farás seu próprio prato desde pequeno

“Quando são muito pequenas, as crianças não necessariamente vão montar o seu prato sozinhas, mas elas podem e devem ter a possibilidade de manusear, colocar a mão… Tudo isso é muito bacana, pois traz a questão da escolha, de se apropriar, de entender as quantidades”, explica a nutricionista. Ah, mas vai fazer lambança… “Vai, sim! Mas depois isso se arruma e eles vão entender que depois de comer tem a limpeza. Você aproveita e vai assim educando e trazendo outros valores para seus filhos. Comer sozinho estimula a autonomia e ajuda a criar responsabilidade sobre todo o processo.”

4. Terás sempre 5 cores no seu prato

“Um prato colorido traz nutrientes completos e variados. A gente sabe por pesquisas da nutrição que a coloração dos alimentos representa nutrientes diferentes (o vermelho tem licopeno, o laranja tem betacaroteno, os verdes escuros têm ferro e assim por diante). Então, essa brincadeira do prato colorido tem um potencial nutricional muito relevante”, explica Kapim.

5. Experimentarás novos alimentos continuamente

Mas, Kapim, como propor essa experiência? Tudo depende da forma como os pais colocam esta questão, que não pode ser um momento tenso. “O experimentar pode virar uma brincadeira, feita desde cedo na sua casa. Provocar que seja sentido e falado sobre textura, sobre o sabor, se é doce ou salgado… Isso cria uma dinâmica gostosa. E se não gostar tudo bem! A mamãe não vai ficar triste e o papai não vai ficar brabo. Não se pode tornar isso uma coisa pessoal. Se a criança experimentou e não gostou, tudo bem. Vai experimentar depois o alimento oferecido de outro jeito, em outro preparo. As papilas gustativas vão se adaptando. Ou você não lembra, por exemplo, de alguma comida da qual não gostava quando era criança e hoje gosta?”
 

Conversa de Mãe Alô Bebê

Evento da Alô Bebê teve bate-papo mediado pela Me Two (Thais Reali) com a nutricionista Gabriela Kapim e a jornalista Mica Rocha
+ Dicas da Kapim para melhorar a nutrição dos gêmeos na sua casa

# Trabalho em equipe
Vamos ver o que será servido na semana que vem? Peça a colaboração de todos na hora de decidir os cardápios dos 7 dias seguintes. Um irmão olha na despensa o que falta, o outro faz a lista. Não é para deixá-los descobrirem só na hora de comer o que vai ser servido. Todo mundo tem que participar.

# Não fique o tempo inteiro servindo
Mesmo que você tenha empregada ou faxineira em casa, não é para delegar isso o tempo todo. As crianças podem desenvolver a autonomia levando o próprio prato pra pia, lavando, recolhendo a mesa.

# Leve a nutrição a sério
Assim como você sempre orienta para que coloquem o cinto de segurança ao andar de carro, mantenha com a alimentação essa mesma rigidez. Nutrição é questão de saúde. Você vai estar prevenindo e cuidando da saúde e o futuro dela. Conversar e explicar sobre alimentos é um trabalho de todo dia.

Aproveite para compartilhar esse post e dividir a informação com outras famílias, que precisam de ajuda para alimentação das crianças! 

Comunidade Alô Bebê
Alô Bebê
Alô Bebê Seguir

Redação - Alô Bebê

Ler matéria completa
Indicados para você