[ editar artigo]

Tudo sobre o desenvolvimento do seu bebê

Tudo sobre o desenvolvimento do seu bebê

Desenvolvimento motor, intelectual e emocional. São diversos os fatores existentes para que mamãe e papai meçam e monitorem o progresso do seu filho! Saber se o bebê está com o crescimento dentro do esperado para sua idade, e se apresenta todas as habilidade para os meses correspondentes de vida traz tranquilidade para a toda a família. Mas, qual aspecto observar primeiro? Será que existe algum indicador mais importante do que outro? Descubra agora as principais referências para um bebê saudável no seu primeiro ano!

Medidores clássicos: peso e altura

De acordo com a Sociedade Brasileira de Pediatria, espera-se que um recém-nascido tenha entre 2,5kg e 3,9kg. Em média, meninas nascem pesando 3kg, enquanto meninos chegam ao mundo com 3,3kg.

É muito importante que mamãe e papai saibam e se preparem para a breve perda de peso do bebê na primeira semana de vida – uma diminuição de 10%. Essa reação se dá pelos seguintes fatores:

  • Eliminação do excesso de água corporal.

  • Eliminação das fezes acumuladas durante a gestação

  • Uso de suas próprias reservas calóricas (gordura e glicogênio)

  • Possível baixa ingestão de leite materno nos primeiros dias, até mãe e bebê se acostumarem com a dinâmica da amamentação.

De 7 a 10 dias, a situação é regularizada. Não é motivo para preocupação – é um processo natural. Inclusive, partir da segunda semana, o bebê passa a ganhar peso progressivamente. Em média, ao final do primeiro mês, espera-se que o bebê tenha engordado 30 gramas por dia, o que dá quase um quilo durante o período.

Ainda segundo a Sociedade Brasileira de Pediatria, o ganho de peso de bebê no seu primeiro ano de vida é inversamente proporcional à idade cronológica, ou seja, quanto mais idade ele tem, menos peso ele ganhará por mês. Confira a média:

  • 0 a 3 meses: 600 e 800 gramas por mês

  • 3 a 6 meses: cerca de 600 gramas por mês

  • 6 a 12 meses: entre 350 e 500 gramas por mês

E essa lógica de crescimento também vale também para a altura! Uma criança em idade escolar típica cresce cerca de cinco centímetros por ano. Mas nos primeiros 12 meses, o bebê cresce muito rápido: são impressionantes 25,4 centímetros.

Mas é claro, tudo isso não é uma regra! Mamãe e papai não devem se preocupar demais se o padrão de crescimento do seu filho não se encaixar totalmente nos números citados.

Em primeiro lugar, esses dados representam médias populacionais, e não cada bebê com seu próprio organismo e sua herança genética .

Os ganhos de peso e altura variam de acordo com o sexo do bebê e o tipo de amamentação (seio materno exclusivo, seio materno com complemento ou fórmula exclusiva). É por isso que é tão importante ir às consultas pediátricas de rotina. O médico vai avaliar o crescimento com o passar do tempo, através de uma tabela de crescimento, assim como a saúde do seu filho como um todo.

Saltos de desenvolvimento

O que são?

Períodos de aquisição de novas habilidades nas diversas esferas do desenvolvimento da criança, ou seja: motor, motor fino, cognitivo, linguagem e social.

Quando acontecem?

Principalmente durante os primeiros 20 meses de vida do bebê. No ano inicial, são cerca de 7 picos. Eles ocorrem por volta de 2 a 3 semanas, 4 a 6 semanas, 8 semanas, 3 meses, 4 meses, 6 meses e 9 meses.

Como saber se o meu filho está passando por um surto desses?

Existem características específicas para esses saltos. O bebê tente a aumentar consideravelmente o seu apetite e diminuir e número de horas dormidas sem intervalo. Além disso, o pequeno pode ter um comportamento irritadiço. Durante os picos de crescimento é importante oferecer ao seu bebê o que ele deseja. Ou seja, deixe-o mamar ou comer mais papinha, por exemplo. Como ele vai ter uma qualidade de sono menor, é indicado deixá-lo tirando cochilos extras ou acordar mais tarde. Acredite, depois de alguns dias, sua agenda deve voltar ao normal!

Muito além de um número!

Conheça os sinais do desenvolvimento motor, intelectual e emocional do seu filho, do nascimento ao 12º mês.

Primeiro mês

Finalmente o seu filhote nasceu! E chega ao mundo com muito sono e fome – mas será que esses hábitos tem uma justificativa física? Claro! Nesse início de vida, o pequeno dorme entre 14 a 17 horas por dia, alternado entre o sono de vigília e o sono profundo, e pode mamar até dez vezes em 24 horas. E tudo isso se deve ao despertar dos seus sentidos. Entenda, quando nasce, o bebê não controla nem a musculatura dos olhos. De todos os seus sentidos, a visão é a menos desenvolvida, por não ter sido exigida durante a gestação. No recém-nascido, seu alcance é de 20 a 30 centímetros, mais ou menos a distância entre o rosto do bebê e o da mãe na hora da amamentação. A criança é praticamente míope, e não consegue focalizar objetos além dessa medida. Inclusive, para ajudar nesse avanço, é indicado colocar móbiles coloridos sobre o berço. O olhar do bebê será atraído por esses objetos! Agora, falando na audição do pequeno, é exatamente o oposto! Ela nasce tão boa quanto a dos pais, porque começa a se desenvolver a partir do quinto mês de gestação. Por isso é tão importante conversar e cantar para a criança ainda na barriga – dessa forma, ela chega ao mundo reconhecendo a voz da mamãe e do papai! Já sobre o paladar do recém-nascido, pode acreditar que é bastante aguçado. O bebê já tem capacidade de distinguir o salgado, azedo, amargo e doce. E normalmente, gosta mais do último! Não é à toa que sua atividade favorita no começo de vida é comer, não é mesmo?

Segundo mês

Um dos grandes marcos desse período e da vida dos pais é o sorriso do pequeno. Com cerca de 4 semanas, o bebê já começa a sorrir. É claro que nessa fase a expressão ainda não é seletiva, o que quer dizer que sorri para a mamãe e o papai, mas também para desconhecidos – é o que chamamos de sorriso social. Além dessa importante referência na linguagem, o bebê de dois meses também apresenta avanços no controle da musculatura corporal, e isso normalmente começa com o levantar do queixo. Com pouco tempo, esse reflexo evolui para virar o rosto de lado, se colocado de bruços. Ainda sobre a parte motora, por volta das 8 semanas, o recém-nascido descobre as próprias mãos, e brinca sozinho abrindo e fechando os dedos. Em relação a visão, temos um grande progresso, pois nesse período as duas retinas se fundem. Isso permite ao bebê comece a fixar e acompanhar objetos e pessoas.

Terceiro mês

É oficialmente o início da fase oral! A boca se torna o principal instrumento do bebê para conhecer o mundo. É por ela que o pequeno discrimina consistência, volume, texturas de brinquedos e até das partes do corpo do bebê. Ele ainda não consegue levar o pé à boca, mas as mãos, e TUDO encontrar pela frente, serão devorados. O impulso de provar se une com o fortalecimento da musculatura dos dedos, e apenas com 10 semanas de idade, o bebê já consegue controlar os movimentos das mãos e agarrar os objetos próximos que quer levar à boca. Se estiver deitado de barriga para baixo, por exemplo, consegue levantar a cabeça e deixa-se tombar para o lado: é o princípio do rolar! O neném está cheio de energia, e descobrindo aos poucos como não ficar parado.

Gradativamente, à medida que os braços e músculos do pescoço se tornam mais fortes, o pequeno irá conseguir rolar sobre as costas. Inclusive, rolar com segurança é um excelente exercício para os músculos dos membros e do pescoço, pois promovem a sua coordenação motora. Pais, apostem nessa brincadeira!

Quarto mês

Como não poderia ser diferente, a boca continua sendo o centro do conhecimento. Agora, o campo de visão do bebê está maior e ele segue objetos visualmente até 180 graus. Na prática, isso quer dizer que tentará pegar brinquedos suspensos, e pode passá-los de uma mão para outra. Agora, o pequeno já começa a controlar o abrir e fechar das mãozinhas! E de bruços, já tem mais controle sobre o tronco, começa a erguer o tórax, com a cabeça firme e equilibrada.

Na parte social, é um comunicador nato: ri, faz expressões faciais, reage com prazer quando falam com ele, chora e faz gestos. Reagir e interagir é com ele mesmo!

E para os papais que estavam preocupados com o sono do pequeno, nesse momento o bebê normalmente passa a dormir praticamente a noite inteira.

Quinto mês

O desenvolvimento motor está acelerado! Se antes o recém-nascido já tinha aprendido a levantar parte do corpinho e ficar de lado sozinho quando colocado de bruços, agora o principal ganho é girar a cintura. Deitada, a criança primeiro joga a bacia para o lado, depois as pernas e então o corpo. Isso quer dizer bebê está perto de sentar! Uma maneira muito prática de estimular a agilidade dos braços e pernas da criança, é brincar durante o banho! Os bebês parecem mais à vontade na água, principalmente na hora de praticar movimentos rítmicos e voluntários. Ligar a música, cantar, dançar, usar brinquedos coloridos e interativos, são algumas das atividades que ajudam a desenvolver os sistemas nervoso e motor dentro da banheira.

Essa agitação toda ajuda a organizar o cérebro, formando conexões entre as células e estabelecendo um padrão para quando ele tiver força para engatinhar.

Sexto mês

Momento de muitas novidades na vida do neném! Sendo que a principal delas é a introdução de novos alimentos na sua dieta. O sistema digestivo, pouco desenvolvido ao nascer, apresenta agora todas as capacidades funcionais para lidar com a alimentação sólida.

E quem come bem, fortalece o corpo não é mesmo? Os músculos estão ganhando cada vez força, e o bebê já apresenta maior controle da cabeça, braços e pernas. Na prática, já está total domínio da parte torácica e da bacia, e consegue se sentar apoiado em almofadas. No fim desse primeiro semestre a criança está muito mais ativa, tanto com o ambiente quanto com as pessoas! Ela já sabe que não gosta de ficar sozinha e estica os braços pedindo colo. Abrir e fechar as mãos, que antes era um reflexo, agora é uma ação totalmente voluntária. Quando o bebê quer algo, ele deliberadamente faz o sinal para que todos saibam da sua intenção. Também chuta, se balança, se debate e bate, esfrega, arranha, se inclina de modo rítmico e repetitivo. Toda essa movimentação é imprescindível para estimular o cérebro, que se organiza em informações para o futuro: engatinhar, ficar em pé e andar.

Sétimo mês

Sinais de autonomia! Aos 7 meses, o bebê descobre que é capaz de se sentar sozinho, sem apoio de travesseiros ou ajuda para se elevar e equilibrar. A capacidade de se movimentar com independência dá ao pequeno uma sensação de realização, muito importante para a criação da sua autoestima.

Mas qual criança quer ficar sentar, certo? A partir do momento que ela consegue atingir essa posição, o próximo passo é colocar a as duas mãos à frente do corpo, apoiadas no chão, criando uma base de sustentação: o início do engatinhar. Claro que nesse momento o equilíbrio ainda é vacilante. O bebê se deixa levar pela emoção do momento, e esquece da estrutura que ele próprio criou para se manter de quatro. Se você mostrar a sua chupeta, por exemplo, ele esquece das mãos, tenta pegar o objeto e acaba tombando. Então, todo cuidado é pouco!

Em relação a novas habilidades, é nesse momento que o pequeno começa a usar o dedo indicador e o polegar para pinçar os objetos. Explorando a coordenação dos dedos e das mãos, é justamente a partir do sétimo mês que a criança pode começar a bater palma, mesmo que de forma desengonçada.

Oitavo mês

É possível ver os avanços do desenvolvimento intelectual e emocional na interação da mamãe do papai com o pequeno. De tudo, podemos dizer que o poder de compreensão é o que ganha contornos mais concretos. O bebê com 8 meses entende o significado da palavra “não”. O som, seguido dos gestos é muito importante para que a criança saiba o que pode ou não fazer, o deve ser repetido ou evitado, ou seja, é o início da apresentação do que é “certo ou errado”.

Quando mais próximos os pais estiverem do bebê, melhor será esse diálogo e o seu entendimento. Até porque, sabemos que o maior ensinamento se dá pelo exemplo! Falando na família, esse é o período em que criança está mais apagada aos pais, estranhando desconhecidos e percebendo sempre quando é separada quando um progenitores vai embora. Para que o pequeno não sofra com essa breve separação é fundamental criar com ele a noção de que as coisas vão e voltam. Uma forma simples e divertida de fazer isso é com as brincadeiras de esconder.

Em relação ao desenvolvimento físico, podemos resumir na palavra “fortalecimento”. Sua musculatura está mais dura e o equilíbrio, melhor. A criança senta sem apoio, consegue rolar para se sentar (quando deitada de bruços) e balança o corpo para frente quando está ajoelhada. Tudo para apoiar as mãos no chão e iniciar a exploração! A partir do momento que o pequeno compreende como faz para gatinhar sem cair, o seu mundo não voltará a ser o mesmo!

Nono mês

Esse é possivelmente o mês de maior desenvolvimento da coordenação motora! Seu filho sabe como ficar na posição perfeita para engatinhar, e tem a força necessária para percorrer curtas distâncias. Mas não basta só isso! Esse exercício exige planejamento e logística. O pequeno precisa pensar com qual perna levantar com qual braço e onde ele quer ir. Tudo para ter caminho, ritmo e velocidade. Com tantas decisões, amplia-se crescimento intelectual do bebê!

Décimo mês

Além da exploração contínua pelo chão, podemos dizer que o grande diferencial dessa fase é o interesse pela comida sólida! Quando o pequeno faz refeições em família, e assiste adultos e irmãos se almoçando/jantando, ele fica curioso e ponto de não se contentar com a sua papinha. Com 10 meses, o bebê quer pegar e levar diferentes alimentos à boca, para mastigar. Esse é um bom momento para oferecer legumes e frutas que possam ser comidos à mão, cortados em pequenos pedaços.

Décimo primeiro mês

O desejo de ficar em pé é incontrolável! Para isso, o bebê normalmente utiliza três pontos de apoio – como duas pernas e um braço, dois braços e uma perna ou dois pés e o apoio do tórax em algum lugar. Esse momento é marcado pela força de vontade e criatividade da criança, pois as maneiras encontradas para atingir esse objetivo são inacreditáveis! Justamente por conta desse ímpeto desbravador, que os pais devem sempre estar por porto. O bebê quer ficar de pé, mas irá estranhar assim que conseguir: a dimensão de mundo da criança irá se ampliar em segundos. Os olhos de um bebê que engatinha ficam a 22 centímetros do chão. Em pé, a distância aumenta para, no mínimo, 50 centímetros, ou a altura dele. É uma perspectiva inteiramente nova! E outra, enquanto parte dos bebês tenta andar já dominando a arte de ficar em pé sozinho, outros iniciam os passos antes de conseguirem manter-se em pé sem ajuda. O primeiro passo é um desafio, e muitas vezes exige toda a concentração e energia da criança, então além da atenção redobrada, mamãe e papai devem se preocupar em criar um ambiente propício para essa atividade. Procure liberar quartos e sala, criando espaços amplos para a movimentação. Itens meramente decorativos como vasos e porta-retratos podem ser retirados de cena por um breve período. Coloque cantoneiras de silicone nas quinas dos móveis e proteção nas tomadas, para evitar choques, cortes e outros possíveis machucados. Cuide também do local onde costuma guardar os materiais de limpeza e os remédios (lembre-se de esconder tudo que o bebê pode vir a encontrar e colocar na boca). E não subestime o seu filho, ele tem força para abrir gavetas! Cadeados ajudam a manter locais como esses devidamente inacessíveis.

Décimo segundo mês: confira as principais conquistas do 1º ano de vida do filho!

Competências intelectuais e emocionais

  • Tenta se comunicar, seja por meio do riso ou múrmuros;

  • Reage com a ausência dos pais (ansiedade de separação);

  • Sorri;

  • Estranha desconhecidos;

  • Expressa emoções;

  • Faz jogos de imitação;

  • Obedece a ordens simples, como “não”;

  • Dá “tchau” e bate palmas.

Competências motoras

  • Engatinha com grande rapidez sobre as mãos e os joelhos;

  • Anda com a ajuda do adulto ou agarrado aos móveis;

  • Segura e solta objetos;

  • Tenta segurar talheres (colher) apesar de ainda não dominar o seu uso;

  • Quando sentado, move bastante os braços, que também são usados como ponto distal para o equilíbrio;

  • Consegue sentar-se a partir de deitada de lado ou de bruços;

  • Equilibra-se sozinho em pé por uns instantes;

  • Agarra pequenos objetos com os dedos em formato de pinça;

  • Consegue beber água diretamente no copo, com pequena ajuda;

  • Aponta para os objetos de seu desejo;

  • Ajuda a vestir-se, dando a mão ou o pé.

Importante

Durante o segundo mês de vida do seu filho, não esqueça de dar continuidade ao calendário de vacinas, orientado pelo pediatra! Elas também dependem do desenvolvimento do bebê. Cada dose tem uma data específica para ser ministradas porque o tecido que produz a imunidade do bebê, o linfóide, também possui uma determinada velocidade de crescimento.

São 365 dias de descobertas! Muito aprendizado e amor para mamãe, papai e bebê. Esperamos que esse Mega Artigo contribua significativamente nesse período tão especial. Boas informações são cruciais para a formação da família e o crescimento saudável dos filhos. Compartilhe esse conteúdo!

Comunidade Alô Bebê
Alô Bebê
Alô Bebê Seguir

Redação - Alô Bebê

Ler matéria completa
Indicados para você