[ editar artigo]

Grite e a razão a abandonará!

Grite e a razão a abandonará!

O tom de voz e o perguntar em vez de dizer:
"Meu Deus, derrubou outra vez, como pode ser tão atrapalhado. Limpa isso agora e deixa que eu coloco, já que não sabe fazer, né!?" Isso é uma punição.
Se tonou punição quando acrescentei humilhação, gritei e violei o respeito mútuo.

Mas pode ser diferente?
Totalmente.
Mas alerto que precisa respirar fundo e lembrar sempre que o adulto é você e o controle está em suas mãos.
Volto a dizer, NÃO É FÁCIL! Mas não é impossível.

Diante da situação a reação poderia ser, com tom suave de voz:
Eita, outra vez! Como você pode fazer pra resolver?
Perceba que convertemos, com nossa reação gentil, o acontecido para uma consequência lógica, de ele ter que limpar a bagunça que fez.
É a solução para situação criada por ele. Isso é autonomia.

É muito mais motivador perguntar à criança o que PRECISA ser feito do que simplesmente DIZER o que tem que fazer.

O dizer promove a resistência.
O fato de envolver a criança a faz se sentir capaz de usar o seu poder de maneira participativa.
E ainda usar a criatividade para solução de problemas.

Nós podemos incitar na criança à proximidade ou à hostilidade. E ainda demonstrar o que há por trás de nossas palavras, somente com nosso tom de voz.
Então, convido você a, diante de uma situação parecida se perguntar:
"Isso que estou fazendo é fortalecedor ou desencorajador?"

Dessa maneira podemos começar a reduzir em nós a manipulação desrespeitosa e o reagir sem pensar.
E começar dentro de nós a acreditar que o que fazemos nunca é tão importante quanto como o fazemos.

Janaína Figueiredo
Especialista em Coaching Parental

Instagram: @maequeencoraja

Comunidade Alô Bebê
Janaína Figueiredo
Janaína Figueiredo Seguir

Janaína Figueiredo, mãe do Otto e da Anna e Coaching Parental. Sigo, por amor, transformando famílias porque acredito que é impossível cuidar da criança sem olhar para o adulto que cuida dela. Instagram: @maequeencoraja

Ler matéria completa
Indicados para você