[ editar artigo]

É possível engravidar depois da redução de estômago?

É possível engravidar depois da redução de estômago?

A cirurgia bariátrica, também conhecida como operação de redução de estômago, tem se popularizado cada vez mais como uma solução para o excesso de peso. Muitas pessoas recorrem a ela por promover um emagrecimento relativamente fácil, já que provoca, em média, diminuição de 30% a 40% do peso corporal.

LEIA MAIS  - É possível reverter a laqueadura e engravidar?

Apesar disso, o procedimento causa diversas mudanças no organismo do paciente e pode até mesmo afetar a gravidez e a maternidade. Por isso, ela é indicada apenas em caso de obesidade mórbida, quando o peso não é apenas uma questão estética, e sim de saúde.

Obesidade e gestação

Aproximadamente metade das cirurgias bariátricas é realizada em mulheres que estão em idade fértil, e muitas delas buscam a operação exatamente porque a obesidade mórbida pode ser uma grande inimiga da gestação. O excesso de gordura origina problemas ginecológicos e obstétricos que afetam a ovulação e aumentam o índice de infertilidade.

Quando engravidam, mulheres obesas podem enfrentar problemas diversos, como o risco de aborto espontâneo, parto prematuro, diabetes gestacional, hipertensão arterial e pré-eclâmpsia, uma doença que faz com que o feto libere na circulação materna proteínas que provocam uma resposta imunológica, agredindo as paredes dos vasos sanguíneos e aumentando a pressão arterial da gestante. Até mesmo problemas respiratórios e embolia pulmonar entram no ranking de perigos.

Na hora do nascimento, há maior risco de ocorrer hemorragia durante a cesárea, infecção nos pontos cirúrgicos e complicações anestésicas. Além disso, o bebê pode nascer demasiadamente grande e com maior índice de gordura corporal, o que faz com que muitas mulheres recorram à cirurgia bariátrica antes de tentar engravidar.

Questão de saúde

De acordo com uma pesquisa realizada por cientistas em Québec, no Canadá, a cirurgia bariátrica pode estar relacionada ao nascimento de bebês mais saudáveis. A equipe acompanhou um grupo de 50 irmãos com idades entre 2 e 25 anos: metade deles nasceu quando a mãe estava obesa e a outra metade após a redução de peso causada pela bariátrica.

LEIA MAIS  - Parto normal depois de cesárea é possível?

Os especialistas descobriram mais de 5 mil genes com expressões diferentes no filho mais novo e no mais velho, células que estão relacionadas a inflamações, doenças vasculares e metabolismo da glicose, provando que as crianças que nascem após o procedimento tendem a apresentar menos problemas de saúde. É preciso lembrar, entretanto, que ainda assim a gestação exige uma série de cuidados especiais por causa das mudanças que a cirurgia bariátrica causa no organismo.

Cirurgia bariátrica

A cirurgia bariátrica pode ser realizada de três formas. A primeira é quando se corta um pedaço do estômago, reduzindo o seu tamanho e fazendo com que a pessoa restrinja a absorção de alimentos. A segunda forma é quando se reduz a extensão do duodeno, que é a principal parte do intestino e por ser responsável pela absorção de água e nutrientes, causa a má absorção dos alimentos. E, por último, existe a cirurgia e que é retirado um pedaço do estômago e diminuído o tamanho do intestino, causando simultaneamente a restrição e a má absorção.

A terceira opção é a mais popular tanto no Brasil quanto nos Estados Unidos e restringe não só a gordura como também os nutrientes. O duodeno é responsável pela absorção de ferro, ácido fólico e vitamina B12, e após a operação os alimentos passam apenas por uma pequena parte do órgão. Por isso, logo após a cirurgia, o organismo sofre inúmeras alterações e fica desregulado em relação ao suprimento de nutrientes e vitaminas. O corpo começa a perder peso e atinge o seu ápice por volta de 12 a 18 meses após o procedimento, fase na qual o recomendado é que a mulher evite a gestação e faça uso de métodos contraceptivos, já que a fertilidade geralmente aumenta.

Durante esse período também é preciso tomar especial cuidado com o anticoncepcional utilizado. Os métodos via oral costumam ser pouco eficazes nos primeiros meses, por isso é mais recomendado apostar em métodos de barreira, como preservativo, DIU, implante hormonal ou anel vaginal. O ideal é que se consulte um ginecologista para avaliar qual é a melhor opção em cada caso.

Antes da concepção

A mulher que deseja engravidar após fazer a cirurgia bariátrica deve esperar de 18 a 24 meses. Isso porque a adaptação, como dito anteriormente, é repleta de transformações que afetam o organismo e podem prejudicar a gestação. Se por ventura acabar engravidando nessa época, a paciente terá de enfrentar muitas intolerâncias, vômitos e deficiências nutricionais intensas. Por sua vez, o bebê terá 50% de chance de nascer prematuramente e com baixo peso.

Quando ocorrer a estabilização do peso e da saúde da mulher, é necessário que o casal tome a decisão tendo o apoio de uma equipe multidisciplinar com cirurgião, obstetra, ginecologista, endocrinologista, nutricionista e psicólogo, que podem avaliar se a mulher tem condições de engravidar e deverão acompanhá-la durante a gestação e o período de amamentação.

LEIA MAIS  - Entenda o que e quais são os graus de placenta

Também é preciso identificar e tratar as deficiências nutricionais antes da concepção. Geralmente é necessária a suplementação de ferro, vitaminas do complexo B e cálcio. Além, é claro, do ácido fólico, que deve ser ingerido diariamente para reduzir os riscos de malformações neurológicas. A dose ideal deve ser recomendada pelo médico, sendo que normalmente a administração é intramuscular ou endovenosa.

Durante a gestação

Além de todos os cuidados que devem ser tomados com relação à suplementação nutricional antes e depois da concepção, a gestação após uma cirurgia bariátrica precisa de acompanhamento em outros quesitos.

É preciso cuidar, por exemplo, com a superdosagem da vitamina A, já que as vitaminas pré-natais contêm 5.000 UI de vitamina A por comprimido e, após a bariátrica, geralmente são recomendados 2 comprimidos, atingindo o limite de 1.000 UI diários. A mulher não pode ingerir mais vitamina A do que isso durante a gestação porque a superdosagem é teratogênica, ou seja, pode causar danos ao embrião ou feto, como aborto espontâneo, malformações, alterações funcionais e até distúrbios neurocomportamentais.

A gestante precisa estar atenta também às alterações do intestino, causadas pelo crescimento do útero, que, ao deslocar o órgão, pode originar obstrução, um problema decorrente de hérnias, e também torções, que podem evoluir para graves lesões se não forem diagnosticadas em tempo hábil.

Um problema que já é comum entre todas as gestantes e pode ser mais grave naquelas que fizeram a cirurgia bariátrica é a hipoglicemia (baixa de glicose). Por isso, o acompanhamento nutricional nesse período é essencial; a mulher precisa redobrar o cuidado com a alimentação e a suplementação alimentar, evitando o jejum prolongado e fazendo refeições mais frequentes. Além disso, é recomendado evitar alimentos ricos em açúcar e fazer exames trimestrais para verificar se há carência de algum nutriente.

O cuidado psicológico também é muito importante, afinal a mulher deixou de ser obesa, teve uma perda significativa de peso e, durante a gestação, verá o seu corpo mudar novamente. Por isso, é ideal que a grávida tenha o acompanhamento de um psicólogo ou psiquiatra.

Após a gestação

A adaptação do corpo após o parto segue o mesmo padrão da cirurgia bariátrica, pois geralmente boa parte do peso da gestação é perdida em 5 semanas após o nascimento do bebê.

LEIA MAIS  - Entenda o que é o método canguru para recém-nascidos

A mamãe que passou por esse procedimento pode realizar o sonho de amamentar o bebê, mas, assim como em todas as etapas da gestação, precisa ter um cuidado especial com a suplementação nutricional. Por isso, é ideal que o acompanhamento nutricional continue sendo feito.

Comunidade Alô Bebê
Alô Bebê
Alô Bebê Seguir

Redação - Alô Bebê

Ler matéria completa
Indicados para você