[ editar artigo]

Entenda o que é o método canguru para recém-nascidos

Entenda o que é o método canguru para recém-nascidos

Descrito pela Sociedade Brasileira de Pediatria como "atenção humanizada ao recém-nascido de baixo peso", o método canguru é um procedimento indicado para bebês prematuros ou que precisam de cuidados adicionais para tornar o início de sua vida mais tranquilo e saudável até o ganho de peso ideal para a alta hospitalar.

LEIA MAISEntenda o que é o método canguru para recém-nascidos

Essa técnica é uma poderosa ferramenta que auxilia não somente na recuperação do bebê de baixo peso ou prematuro mas também colabora para o bem-estar emocional dos pais, proporcionando contato físico na medida certa como forma de ajudar o desenvolvimento da criança, sobretudo capacitando os responsáveis pelo bebê em seus primeiros cuidados.

Aprenda como o método canguru funciona, para quais casos é indicado e tire todas as suas dúvidas nesse texto. É importante frisar que na maioria dos casos esses cuidados são estendidos para a residência até que a equipe médica responsável finalize a indicação do método.

O que é o método canguru?

Esse procedimento integra a cartela de cuidados neonatais possíveis e necessários para recém-nascidos (RN) com baixo peso, principalmente os prematuros. A metodologia consiste na humanização dos primeiros cuidados, que vão além dos procedimentos básicos da Unidade de Tratamento Intensivo (UTI), para a qual bebês nessas condições costumam ser encaminhados para acompanhamento.

O método canguru também é conhecido como cuidado mãe canguru ou contato pele a pele e consiste no contato com o recém-nascido de forma assistida e constante, com a mãe ou o pai, durante o período de cuidado intensivo e após a alta hospitalar, respeitando o estado comportamental, a saúde, o sono e os horários indicados para a realização do procedimento.

O contato com o bebê ocorre de modo a mantê-lo na posição vertical, junto à região do peito de um dos responsáveis (preferencialmente a mãe ou o pai) de maneira segura. Quando iniciado logo nos primeiros dias de vida da criança, o método canguru pode auxiliar tanto na diminuição do tempo de recuperação hospitalar quanto em questões sociais e psicológicas dos familiares, principalmente na introdução do contato afetivo, na criação de vínculos e no aprendizado de cuidados com o bebê prematuro ou de baixo peso.

Para que o método canguru ocorra de fato, os pais devem ser instruídos por uma equipe devidamente preparada e com treinamento específico para essa finalidade, apta para acompanhar o desenvolvimento do bebê e da família, dar as corretas indicações quanto à maneira de segurar o recém-nascido, a periodicidade, o tempo de alta hospitalar e a atenção psicológica que esse momento acarreta para todos.

Qual é o objetivo do método canguru?

O principal objetivo do método canguru é auxiliar os cuidados neonatais, estimulando o vínculo familiar de maneira humanizada, facilitando o ganho de peso do recém-nascido, além de favorecer a competência da mãe e do pai no cuidado com o bebê. O sistema tem se mostrado efetivo também na diminuição do tempo de internação em UTI e no incentivo ao aleitamento materno.

Quais são as etapas do método canguru?

Para facilitar o entendimento e a realização do método canguru, os pais devem seguir três etapas, sendo que a sua efetividade depende de fatores internos (aceitação da necessidade de cuidados especiais com o recém-nascido, condições psicológicas favoráveis, dedicação ao tratamento e disponibilidade) e fatores externos (equipe médica treinada para o método, local e materiais necessários disponíveis por todo o período requerido). O sucesso do método, que é medido com o ganho de peso e a evolução da saúde do recém-nascido, deve ser medido durante todas as fases.

Primeira etapa: identificação da necessidade

Antes mesmo do parto, durante o pré-natal na gestação de alto risco ou após o nascimento do bebê prematuro ou de baixo peso que é encaminhado para a unidade neonatal da Unidade de Terapia Intensiva Neonatal (Utin) ou Unidade de Cuidados Intermediários Convencionais (UCINCo), a necessidade e o desejo de seguir um procedimento humanizado para complementar os cuidados pode ocorrer pela vontade dos pais ou por indicação do médico.

LEIA MAISParto normal depois de cesárea é possível?

Nesse momento, os responsáveis pelo bebê precisam receber informações e indicações para a realização do método canguru, entender todos os cuidados necessários, as rotinas e condições de saúde do bebê e conhecer a equipe médica responsável por monitorar os cuidados durante todo o período. É importante que haja encorajamento para que esse contato se inicie o mais precocemente possível e que os pais participem juntos das etapas de preparação e informação para iniciar o processo de interação afetiva e formação de vínculos familiares. Essa união é ainda mais importante na terceira etapa.

Segunda etapa: primeiros contatos

Após a identificação da necessidade e o recebimento das devidas instruções, deve-se iniciar a realização do método canguru durante o maior tempo possível (horas diárias versus período completo de tratamento). A mãe ou o pai — considerando que apenas um deles deve tomar a frente e seguir o procedimento até a liberação — devem se sentir aptos a colocar o bebê na posição canguru, conforme recomendações da equipe médica, e a mantê-lo durante o período médio de 1 hora por sessão.

Nessa etapa, o recém-nascido permanece de maneira constante com o responsável pela tarefa, estimulando ativamente o aprendizado de cuidados com o novo membro da família. Essa fase também costuma ser realizada na UCINCo, na qual o responsável passa, gradativamente, a assumir a maior parte dos cuidados com o bebê. Esse momento é importante para incentivar o início do aleitamento materno, além de firmar e estabelecer a relação entre pais e filho.

Terceira etapa: alta hospitalar

A equipe médica avalia a evolução do bebê, que, ao manter a saúde estável e atingir o peso mínimo de 2,5 quilos, pode ser liberado do ambiente hospitalar. Os cuidados, porém, devem ser mantidos em casa com o acompanhamento médico periódico.

Sempre que possível, é aconselhável que o agente de saúde ou algum membro da equipe médica responsável visite o bebê no novo ambiente para verificar as condições de continuidade dos cuidados. Para isso, manter uma agenda de visita ou consultas é fundamental para a correta evolução do quadro.

Além da conquista de peso pelo RN, outros fatores são importantes para que o momento da alta hospitalar seja possível:

  • ausência de qualquer outro problema de saúde que necessite de monitoramento hospitalar;

  • motivação e informação dos pais;

  • compromisso dos pais para manter a realização do procedimento pelo período indicado;

  • compreensão e comprometimento por parte dos outros membros da família, evitando interrupções e facilitando um ambiente propício, livre de ruídos ou interferências para a realização do método canguru;

  • acompanhamento médico regular até o bebê atingir 2,5 quilos;

  • amamentação materna ou, em casos especiais, com complementações seguindo recomendações médicas;

  • ganho de peso considerado como fator-chave para a finalização do método, que somente poderá ser recomendada pela equipe médica que acompanhou o procedimento desde o início e tem acesso ao histórico de evolução do bebê.

LEIA MAIS Tudo o que você precisa saber sobre corrimento na gravidez

Como é realizada a posição canguru?

A equipe médica deve oferecer todas as indicações de acordo com o ambiente, o estado psicológico dos pais e a saúde da criança. Em suma, o primeiro passo é identificar e preparar o ambiente para iniciar o procedimento. É importante que o responsável pelo recém-nascido esteja com roupa confortável, devidamente higienizada (ou com avental ou roupa hospitalar) e com a região do peito desnuda para manter contato pele e pele com o bebê.

Esse período precisa, ainda, ser reservado apenas para essa finalidade, não sendo indicada a permanência de outras pessoas, alimentação ou qualquer outra atividade que cause danos à atenção dos pais. O local precisa ter uma poltrona com suporte para os braços ou uma cama com cabeceira elevada a 45° para que os responsáveis possam se manter confortáveis, sentados ou levemente inclinados em decúbito dorsal, de acordo com as instruções médicas.

É importante manter a temperatura corporal do bebê, geralmente o envolvendo em uma faixa de algodão, com touca e meias, mas com a região do peito também desnuda. Com a cabeça lateralizada, membros superiores e inferiores flexionados, o bebê deve ser entregue aos pais na posição vertical. Em casos de locais ou regiões muito frias, uma manta pode ser utilizada para cobrir o recém-nascido quando ele já estiver na posição canguru.

Alguns cuidados são necessários para evitar hiperflexão ou hiperextensão do pescoço ou abdução exagerada do quadril. A equipe médica deverá acompanhar toda a sessão, observando qualquer reação de dor ou incômodo, podendo sinalizar os excessos mencionados.

Manter o bebê na posição indicada de forma segura é fundamental para o sucesso do procedimento. Dessa forma, o uso de uma faixa de algodão ou de malha e até um tecido ou blusa dos próprios pais podem funcionar para manter a contenção. No caso do uso de faixas, deve-se evitar que a região do nó atrapalhe o bebê ou as costas dos pais.

Qual é a duração do método canguru?

Não existe um período mínimo ou máximo predefinido. Nesse caso, o ganho de peso é o fator crucial para a finalização do método. Cada sessão, entretanto, deve durar no mínimo 1 hora para que o recém-nascido e o responsável tenham tempo de estabelecer uma conexão saudável e confortável.

Somente a mãe pode realizar o método?

Apenas o médico ou a equipe responsável pela internação e pelo acompanhamento do recém-nascido poderá dar a prescrição correta para cada caso. No geral, a mãe costuma ser a pessoa indicada para seguir o método, levando em consideração que o processo estimula o início do aleitamento, essencial na primeira fase da vida. Além de ajudar na tranquilidade na relação de confiança entre a mamãe e o bebê.

LEIA MAIS  - Descubra como estimular a inteligência do seu bebê

Entretanto, existem casos em que a mulher não se sente apta ou segura para realizar o procedimento, que requer tempo, dedicação, frequência e principalmente um bom estado de saúde. Nessa situação, o médico responsável pode contar com o pai, garantindo que ele siga as instruções de contato durante todo o período, evitando movimentos "mecânicos" de apenas segurar o filho no colo. É importante frisar que o aleitamento materno não faz parte do método canguru, mas, quando o processo é executado pela mãe, pode torná-lo ainda mais propício.

Independentemente de o responsável ser a mãe, o pai ou um cuidador, a pessoa que assumir o procedimento deverá seguir rigorosamente o cronograma durante todo o período de internação e alta hospitalar.

Todo hospital está apto a oferecer o método canguru?

É importante que os pais, principalmente aqueles que precisam de acompanhamento para gestações de alto risco, busquem informações sobre a disponibilidade do método canguru em uma unidade de saúde pública ou particular. Segundo o Ministério da Saúde, o Sistema Único de Saúde (SUS) tem profissionais devidamente treinados para essa finalidade, bem como acesso e cobertura para acompanhamento da gravidez em todas as fases, envolvendo, inclusive, atenção ao recém-nascido de baixo peso ou prematuro.

Os centros nacionais de referência no método canguru podem ser encontrados neste link, para tratamento ou quaisquer dúvidas sobre a sua cobertura.

Quando o método canguru é indicado?

A Coordenação Geral de Saúde da Criança e Aleitamento Materno propõe que o método seja utilizado para a humanização de recém-nascidos com peso mínimo de 1,6 quilo, assegurando acompanhamento ambulatorial até 2,5 quilos. Além desse quesito, a vontade e disponibilidade dos pais, uma equipe médica devidamente treinada na unidade de tratamento intensivo neonatal próxima à residência e um ambiente adequado devem ser avaliados para a realização do procedimento, garantindo atendimento qualificado observando a individualidade de cada bebê e o histórico familiar.

Quais são os benefícios do método canguru?

O método canguru apresenta uma série de benefícios para o recém-nascido e para a família, sendo uma excelente opção para integrar os cuidados neonatais de forma humanizada. Dentre os principais pontos positivos estão:

  • ajudar a reduzir o número de recém-nascidos em unidades de cuidados intermediários;

  • auxiliar no aprendizado dos pais quanto aos cuidados com o recém-nascido mesmo após a alta hospitalar;

  • auxiliar no desenvolvimento comportamental, psicológico e afetivo da família;

  • estimular a saúde do bebê, proporcionando menor tempo de permanência na unidade de tratamento intensivo;

  • estimular o aleitamento materno;

  • estimular o vínculo entre pais e filho;

  • diminuir a probabilidade de infecção hospitalar;

  • favorecer o controle térmico do recém-nascido;

  • favorecer os estímulos sensoriais do recém-nascido no contato com os pais;

  • proporcionar momentos de contato dos pais com o filho em situação de tratamento intensivo;

  • reduzir o estresse do recém-nascido e dos pais, causando maior sensação de segurança e conforto.

Quais são os riscos do método canguru?

Embora o método canguru pareça simples, apenas equipes médicas e pais devidamente instruídos devem realizar o procedimento e sempre de forma monitorada. Os benefícios são muitos, mas existem alguns riscos, principalmente atrelados ao despreparo na manipulação da criança. O primeiro risco é a instabilidade clínica do recém-nascido para permanecer na posição canguru. Isso porque a manipulação do bebê em estado grave ou delicado pode ocasionar taquicardia ou outras complicações.

LEIA MAIS  - Rinite gestacional: Tudo o que você precisa saber sobre a doença

Mesmo nos casos em que a equipe médica indicar o método, é necessário que o RN tenha a temperatura verificada e utilize o mínimo de roupas de acordo com a necessidade (como touca, meias e fralda descartável) para permanecer estável e ao mesmo tempo receber o contato com a pele dos pais.

Outro cuidado necessário é com a cabeça do bebê, que deve ter pouco contato com o corpo dos pais. Além disso, ao retornar a criança para a incubadora ou o berço, é preciso mantê-la aquecida para conservar o controle térmico sem que sofra grandes variações.

Cuidados adicionais

Alguns cuidados adicionais são necessários para manter a efetividade do método canguru, principalmente após a terceira etapa, na qual os responsáveis precisarão assumir as direções para a continuação do procedimento fora do hospital. Os principais pontos de atenção são:

  • o recém-nascido deve ser mantido em posição canguru na região do peito do mesmo responsável determinado pelo médico e em períodos iguais;

  • o responsável não deverá passear, comer ou executar qualquer outra atividade com o bebê nessa posição durante o tratamento humanizado;

  • tanto o bebê quanto a mãe ou o pai devem manter as vestimentas indicadas, com a região do peito desnuda para a realização do procedimento. O principal benefício para o bebê é a transferência de temperatura corporal, portanto não se deve utilizar outras roupas ou tecidos sem instrução médica;

  • uma atenção especial deve ser mantida para evitar que a posição cause apneia no bebê. O movimento de respiração correto e tranquilo do responsável auxilia a "lembrar" o recém-nascido de fazer o mesmo;

  • o aleitamento materno deve ser mantido e estimulado durante a aplicação do método canguru, mesmo quando a criança não estiver na posição canguru.

Como o método canguru estimula o aleitamento materno?

Embora o aleitamento materno não faça parte da realização do método canguru, o estímulo é evidente quando realizado pela mãe, em virtude do maior contato pele a pele com a criança. Alguns estudos apontam, ainda, que a produção de leite nas mulheres que realizam esse procedimento é maior no período de contato com o bebê. A aproximação com o recém-nascido, seguindo a periodicidade e as instruções corretas, estimula o prolongamento da amamentação, trazendo diversos benefícios para o desenvolvimento do pequeno.

O aleitamento materno é capaz de reduzir em 22% a mortalidade neonatal por fornecer toda a alimentação necessária no primeiro momento de vida do bebê — e seu estímulo ajuda a saúde e recuperação da mãe.

Origem e curiosidades sobre o método canguru

Antes de falar da origem clínica do método, é interessante tratarmos de uma curiosidade em relação ao canguru, a grande inspiração para a idealização desse procedimento. Para entender melhor, falaremos brevemente sobre o processo de nascimento e desenvolvimento do filhote dessa espécie.

No mamífero marsupial, diferentemente do processo de concepção humano, parte de sua fase de crescimento é realizada fora do ventre materno, o que ocorre porque o animal não fabrica placenta. O crescimento no interior da fêmea, nesse caso, leva em média de 30 a 39 dias. Após esse período e até completar o seu desenvolvimento, aos 8 meses de vida, o filhote “prematuro” é mantido aquecido na “bolsa” da mãe, que na verdade se chama marsúpio. Além de manter o filhote em segurança, os mamilos da mamãe canguru se encontram nesse local, possibilitando que o filhote, ainda sem capacidade de utilizar a sua força para buscar alimento, receba os nutrientes necessários.

Com a interpretação do nascimento desse animal, em que a mãe canguru empresta o seu calor e fornece alimento ao filhote que não conquistou o pleno desenvolvimento em seu interior, o método canguru utiliza uma premissa comum: o aproveitamento do calor humano como recurso de recuperação de bebês de baixo peso ou prematuros.

O método canguru teve seus primeiros registros clínicos em Bogotá (Colômbia), em 1979, no Instituto Materno Infantil de Bogotá. Seu primeiro objetivo foi a redução de custos concomitantemente à necessidade de uma solução para a superlotação na assistência a recém-nascidos prematuros nas unidades neonatais. Além, é claro, de auxiliar na atenção humanizada de mães e pais fragilizados com a situação, sendo que, por vezes, as incubadoras eram utilizadas por dois bebês em situação semelhante. No Brasil, a prática foi iniciada por volta dos anos 1990 no Instituto Materno-Infantil de Pernambuco (Imip) e no Hospital Guilherme Álvaro, na cidade de Santos (SP).

LEIA MAIS10 dicas para evitar problemas na hora de escolher o nome do filho

A partir dessas experiências, diversos estudos seguiram apontando benefícios para a presença contínua da mãe ou do pai junto ao bebê, garantindo calor, impulsionando o aleitamento e criando um maior vínculo com o recém-nascido, uma condição indispensável para a sobrevivência e recuperação do pequeno paciente.

Gostou deste texto? Compartilhe-o em suas redes sociais e ajude outros papais e bebês pelo mundo.

Comunidade Alô Bebê
Alô Bebê
Alô Bebê Seguir

Redação - Alô Bebê

Ler matéria completa
Indicados para você