[ editar artigo]

O que é exterogestação?

O que é exterogestação?

Os primeiros meses de vida de um bebê podem ser difíceis não apenas para a família mas também para o recém-nascido. O mundo é completamente novo, cheio de informações visuais, táteis e auditivas que ele nunca sentiu antes; na vida intrauterina, o bebê não prova nem enxerga nada, e os sons que escuta são bem limitados. Foi pensando nisso que surgiu o conceito de exterogestação.

LEIA MAIS  - Por que o bebê recém-nascido dorme muito?

O que é exterogestação?

O prefixo extero significa fora, externo, por isso foi escolhido para ilustrar o conceito formulado pelo antropólogo Ashley Montagu no século passado. Sua teoria era de que a gestação não dura apenas 9 meses, mas sim 12, e seu último trimestre ocorre fora da barriga, sendo assim uma exterogestação.

Os primeiros meses após o parto são essenciais para que o bebê se desenvolva e se acostume com a vida fora do útero, afinal ele ainda não enxerga completamente, não fala, não pode se sentar ou sustentar a cabeça e precisa da ajuda dos pais para fazer tudo, assim como acontecia quando ainda estava na barriga.

Montagu chamou atenção para o fato de que, quando a evolução humana nos levou a andar sobre duas patas, os ossos da bacia feminina foram ficando mais estreitos e os bebês começaram a nascer mais cedo. Enquanto outros mamíferos nascem basicamente independentes, aprendendo sozinhos como sobreviver, os seres humanos precisam de muito mais apoio, especialmente nos primeiros meses de vida.

A exterogestação é, então, uma fase de transição para que os pequenos se acostumem ao novo mundo enquanto ainda são protegidos, cuidados e gestados pelos pais. No útero, o bebê é constantemente alimentado por meio do cordão umbilical, e isso muda no momento em que ele nasce e precisa chorar para ser atendido.

LEIA MAIS  - Entenda o que é o método canguru para recém-nascidos

Outra mudança importante é a de ambiente, pois o útero é constantemente aquecido, escuro e sem barulhos altos, muito diferente do quarto de hospital que o bebê encontra quando nasce. Depois do parto, a criança começa a sentir frio, conhecer sons e ver muitas luzes, cores e pessoas que não fazem parte do seu mundo. O conceito de exterogestação prega que os pais devem fazer o possível para tornar essa transição mais fácil e confortável para a criança.

Como isso é possível? Tentando recriar o ambiente uterino.

Como a exterogestação funciona na prática?

É claro que recriar o ambiente uterino exatamente como ele é não é possível nem algo que se possa fazer o tempo todo pelo bebê, mas algumas atitudes diárias podem tornar a rotina do recém-nascido mais fácil, confortável e parecida com o que ele já conhece. Isso pode ajudá-lo a se adaptar aos poucos à sua nova realidade e a se desenvolver com mais facilidade.

Confira algumas dicas:

Use um sling

Sling é uma faixa de tecido que, com diversos tipos de amarração, prende o bebê ao corpo da mamãe ou do papai. Essa é a melhor maneira de carregar a criança durante o dia, porque ela pode acompanhar todos os movimentos dos pais, ouvindo seus batimentos cardíacos o tempo inteiro. Além disso, a proximidade deixa o bebê mais confortável e permite que o responsável fique com as mãos livres.

Quando usar o sling não for possível, pode-se enrolar o bebê em uma manta, deixando pouco espaço para ele se movimentar, assim como acontecia no útero. Fique atento apenas à temperatura e ao rosto do bebê, que deve estar livre para que ele respirar.

Respeite o sono

Na exterogestação, é importante deixar que o bebê durma o quanto quiser, em um ambiente tranquilo e com pouca luz. Se for possível, também é recomendado que durma com os pais nos primeiros meses, mas sempre de maneira segura, sem riscos de sufocamento.

Ofereça alimentação em livre demanda

Como dissemos, na vida intrauterina o bebê não estava acostumado a ficar com fome. Por isso, é normal que ele chore e reclame quando quiser ser alimentado nos primeiros meses. O recomendado é que, nesse período, os pais o amamentem sempre que ele peça, porque a amamentação não apenas oferece nutrientes para o bebê mas também aumenta seu conforto e sua segurança.

Além disso, é importante ressaltar que, sempre que possível, o aleitamento materno deve ser a única fonte de alimentação dos bebês até o sexto mês de vida, pois o leite materno tem todos os nutrientes de que o bebê precisa para crescer forte e saudável.

Dê atenção especial à hora do banho

O banho em ofurô ou balde é o que melhor simula o ambiente uterino, sem muito espaço e com a água morna. Esse ambiente lembra o bebê do tempo que ele ficou no líquido amniótico e traz segurança e sensação de relaxamento. Muitos pais afirmam, inclusive, que essa é a melhor maneira de ajudar a criança a dormir ou a parar de chorar em dias estressantes.

Capriche no toque

Depois do parto, o toque é o primeiro sentido que o bebê passa a desenvolver. Abraços, carinhos, massagens e aconchegos se tornam a principal maneira de aproximação, ouvindo o batimento cardíaco dos pais para se sentir mais protegido e confortável.

LEIA MAIS  - Dicas para fazer papinha de bebê

Além do contato físico usual, é recomendado que os pais aprendam técnicas da shantala, um método de massagem para bebês que os ajuda a relaxar e estreita os laços familiares.

Cuide do ambiente

Dentro do útero, o bebê não é exposto a muita luz ou a barulhos altos; na verdade, o que escuta são apenas os sons repetitivos da presença da mãe. Você pode reproduzir esse ambiente deixando o bebê em um local com pouca luz e uma música suave. A companhia dos pais torna esse momento mais íntimo e especial para a criança.

Quais são as vantagens da exterogestação?

A exterogestação traz benefícios para todos os envolvidos, particularmente para a mamãe e o bebê. Para o pequeno, essas simulações diárias da vida intrauterina fazem com que sua rotina inclua sensações conhecidas ao mesmo tempo em que ele se acostuma com o novo: as horas de sono corretas, os horários para se alimentar, os sons comuns da casa, o cheiro dos pais etc.

Ter algo conhecido e confortável em meio a tantas situações novas faz com que essa transição seja mais fácil para o bebê, sem um corte abrupto que possa abalar sua segurança. Em médio e longo prazos, esses primeiros meses com mais cuidado e apego podem trazer diversos benefícios psicológicos para a criança, mas a diferença também é notável para os pais.

A transição de grávida para mãe de um recém-nascido pode ser difícil; afinal, depois de 9 meses com um novo corpo e novas responsabilidades, ela se vê desempenhando o papel de cuidadora e responsável principal pela vida de um novo ser humano que precisa dela para tudo.

LEIA MAISQuais cuidados devemos ter com bichinhos de pelúcia?

As práticas da exterogestação não servem apenas para tranquilizar o bebê mas também para trazer momentos de proximidade e tranquilidade para os pais: enquanto o bebê relaxa, eles também se sentem mais calmos. E os laços familiares mais estreitos fazem bem para toda a família.

Gostou de saber mais sobre a exterogestação? Então compartilhe este texto nas redes sociais.

Comunidade Alô Bebê
Alô Bebê
Alô Bebê Seguir

Redação - Alô Bebê

Ler matéria completa
Indicados para você