[ editar artigo]

Do nascimento à adolescência: quando levar meu filho ao pediatra?

Do nascimento à adolescência: quando levar meu filho ao pediatra?

Você sabia que crianças que não vão ao pediatra com frequência tem duas vezes mais chances de serem hospitalizadas? Segundo um estudo feito nos Estados Unidos com mais de 20 mil famílias, as crianças que não comparecem à quantidade recomendada pela Academia Americana de Pediatra até os 3 anos de idade, correm duas vezes mais risco de desenvolverem doenças crônicas, como asma e problemas do coração. Isto acontece pois os pais que perdem as consultas, perdem também a oportunidade de intervenção preventiva e a detecção precoce de enfermidades!

Para garantir a saúde do seu pequeno, e ficar de fora dessa estatística é muito importante entender que a criança deve ir ao pediatra mesmo que não esteja doente! Substituir as consultas com especialista pelas convencionais ou visitas ao Pronto Socorro coloca em risco a saúde do seu filho.

A função do pediatra vai muito além de tratar doenças! Ele é o responsável por acompanhar o crescimento e do desenvolvimento da criança. E para que isso aconteça, as idas ao consultório requerem mais tempo e atenção, pois também servem para que os pais tirem suas dúvidas e recebam o máximo de orientação possível.

Quando deve ser a primeira consulta?

Ainda na barriga da mãe! É indicado que durante a gestação, por volta da 32ª semana, os pais marquem a primeira consulta com o pediatra. É o momento ideal para a família tirar dúvidas, pedir orientações e conhecer os principais exames realizados na maternidade, como teste do pezinho, da orelhinha e do olhinho.

Já a primeira ida ao consultório após o parto deve ocorrer até o 7º dia de vida do bebê. Nesta consulta, o médico realizará o exame físico completo, avaliando medidas como peso, comprimento, circunferência cefálica, torácica e abdominal.

Qual a frequência correta de consultas?

0 a 1 ano: Após as análises inicias, as consultas devem ocorrer uma vez por mês até completar o primeiro ano de vida. Essa fase regular de consultas é o que chamamos de puericultura.

“Mas para que tantas consultas?”

No primeiro ano de vida, o bebê triplica de peso e ganha aproximadamente 25 cm de altura. No mesmo período já começa até dar os primeiros passinhos. São muitas mudanças em tão pouco tempo, então, para ter certeza de que tudo está indo bem é preciso manter essa assiduidade! Então, se a vida anda muito corrida e você está com medo de se perder nessa rotina, aproveite a primeira ida ao pediatra para se planejar. Olhem o calendário juntos e já se programe!

“O que posso perguntar durante essas consultas?”

Tudo o que você quiser. Principalmente no caso das mães de primeira viagem, é normal ter muitas dúvidas mesmo. As principais questões levantadas, normalmente, são relacionadas a amamentação, banho, prevenção de acidentes e questionamentos básicos sobre o desenvolvimento do bebê — quando ele vai começar a sentar, engatinhar, andar e falar.

De 2 a 4 anos: Durante essa fase, o indicado é que os encontros com o médico passem a ser trimestrais. Nesse período podem surgir outros aspectos que atingem a criança, como doenças respiratórias causadas por alergias ou alimentação, além de problemas no desenvolvimento escolar e psicológico.

De 5 a 8 anos: As transformações físicas da criança ocorrem num ritmo mais lento, já o desenvolvimento intelectual irá te surpreender! Aprender a ler e escrever abre o mais importante canal de comunicação com o mundo. É a hora de estimular a leitura e observar atentamente ao desempenho do seu filho. Para esta faixa etária, o indicado é marcar idas ao pediatra a cada 6 meses. Dica: as crianças começam a apresentar dificuldade em relação a alimentação nesta idade. E, se seu filho não come direito, ainda é tempo de corrigir! Assim, ele chegará saudável e forte na adolescência.

De 8 a 18 anos: Essa é uma das fases mais delicadas no desenvolvimento da criança, e por isso é recomendado que as consultas de acompanhamento sejam realizadas uma vez por ano. Nos encontros, o pediatra observará aspectos como crescimento, a puberdade, a alimentação, o estado nutricional, desempenho escolar e atividades físicas. A vacinação em dia e os exames de rotina auxiliam na prevenção de qualquer doença que possa prejudicar o crescimento e desenvolvimento saudável da criança como diabetes, hipertensão, obesidade ou colesterol alto.

Durante a transição para a adolescência, pode ser necessário o acompanhamento também de outros profissionais, como ginecologistas e psicólogos.

Decisão importante

Como você pode perceber, do nascimento do seu filho até o início da adolescência, você vai conviver muito com o pediatra! Por isso, é importante escolher bem antes de levar a criança. Não adianta apenas seguir uma indicação de parente ou pesquisar no catálogo, é preciso sentar e conversar bastante com o profissional, além de checar sua disponibilidade, a distância do consultório até a sua casa e os métodos utilizados. A relação entre pais, criança e pediatra, será longa e precisa estar baseada em muita confiança!

Mas afinal, o que é puericultura?

É uma especialidade médica contida na Pediatria que leva em conta a criança, sua família e o entorno, analisando o conjunto biológico, psicológico, social e cultural. A puericultura promove e protege a saúde através de uma atenção integral, compreendendo a criança em todas as suas particularidades. Ela observa cada um desses aspectos e avalia como o paciente se utiliza deles para se relacionar com as pessoas à sua volta. Com este tipo de consulta é possível detectar problemas precocemente, estabelecer diagnóstico de falha ou atraso do desenvolvimento em áreas específicas, além de intervir positivamente diante das alterações que surgirem. As visitas constantes são importantíssimas para a realização de exames periódicos e o acompanhamento do calendário de vacinação.

O que esse tipo de consulta inclui:

  • Análise do estado nutricional;

  • Análise da história alimentar;

  • Avaliação da curva de crescimento;

  • Calendário de vacinas que fazem parte do calendário oficial do Ministério da Saúde;

  • Avaliação do desenvolvimento neuropsicomotor;

  • Análise do desempenho escolar;

  • Avaliação do padrão de atividade física diária;

  • Exame de capacidade visual;

  • Observação dos cuidados domiciliares dispensados à criança;

  • Avaliação do desenvolvimento da sexualidade;

  • Análise da qualidade e quantidade do sono;

  • Avaliação da audição;

  • Avaliação da saúde bucal.

IMPORTANTE: em situações emergenciais, os pais não devem esperar o dia da consulta para contatar o pediatra. Casos urgentes requerem uma avaliação médica o mais rápido possível!

Este conteúdo foi útil para você? Então compartilhe esse texto e ajude mais mamães e papais a se conscientizarem sobre a importância do acompanhamento pediátrico! Também não perca a chance de integrar a Comunidade Alô Bebê e receber todas as nossas atualizações na sua caixa de entrada.

TAGS pediatra
Comunidade Alô Bebê
Alô Bebê
Alô Bebê Seguir

Redação - Alô Bebê

Ler matéria completa
Indicados para você